fbpx

Como vender mais no fim do ano através de estratégias de Marketing Digital


Facebook


Pinterest


Youtube


Instagram

As festas de fim de ano são indiscutivelmente uma das melhores datas sazonais para o comércio brasileiro. Seja por ser uma das poucas datas comemorativas do ano onde toda a família se reúne para a troca de presentes e confraternização ou pelo frescor de um ano que termina e outro que se inicia. O fato é que de acordo com o SERASA, 2017 teve um dos melhores Natais para os comerciantes em relação aos últimos 7 anos! Mas e 2018?

Segundo Emílio Alfieri, economista da ACSP, para a matéria do jornal Brasil Econômico:

“O ritmo de crescimento do comércio está perdendo força em 2018, tanto o restrito quanto o ampliado, o que possivelmente faça com que o setor feche o ano em patamar abaixo do estimado inicialmente” Fonte: Economia – iG @ https://economia.ig.com.br/2018-09-13/vendas-do-comercio.html

Embora a crise tenha afetado as vendas em 2018, o Dia das Crianças seguido pela Black Friday e Natal, são datas importantes para o comércio e é necessário que a sua empresa invista em marketing digital de forma correta para alavancar lucros e vender mais no fim de ano.

 

Para isso, separamos algumas dicas para que você possa vender mais no fim do ano através de estratégias de Marketing Digital

 

#1: Faça um planejamento de suas ações e orçamento

 

“o Marketing digital não é o Salvador da Pátria. Sim, ele pode levar a sua empresa a um outro patamar, mas para isso é necessário muito mais que apenas a contratação do serviço e estratégias”. -Amanda Lima, fundadora da Kawis Consultoria

 

O planejamento é pontapé inicial para uma estratégia de marketing digital bem sucedida. É necessário que a empresa entenda o que o seu público deseja e ofereça a melhor solução para ele. Gostos pessoais e posicionamentos da empresa não devem ter peso aqui. Lembre-se que a campanha está sendo realizada para o seu cliente e ele tem necessidades diferentes da sua empresa e muitas vezes da que a sua empresa julga que ele tem. Por esse motivo, quando for fazer o seu planejamento, faça pesquisa: pesquisa da concorrência, do mercado e principalmente do seu cliente.

 

Outra questão crucial é planejar o orçamento para suas ações de marketing digital para o fim de ano, por ser uma época com algumas datas importantes é necessário que a sua empresa saiba exatamente quando é possível investir em cada ação para não ter problemas durante o processo.

 

#2: Defina seus objetivos e duração da campanha

As campanhas devem começar com uma certa antecedência às datas sazonais para que você crie um caminho para chegar até o seu cliente. nesse período você pode criar um funil de engajamento com o seu público e ações de marketing digital com objetivos primários e secundários. Por exemplo: se a sua marca não é conhecida, antes de converter um cliente para sua loja online, você precisa:

  1. Saber que tipo de persona deseja atingir

  2. Entender o que esse público quer

  3. Apresentar sua marca: sua empresa deve ser tudo que ele deseja

  4. Gerar empatia, interesse ou curiosidade pela marca

  5. Mostrar seu diferencial

  6. Cativar

  7. Converter

  8. Fidelizar

  9. Tornar esse cliente, um defensor da sua marca

Nesse caso, o objetivo final é aumentar as vendas de fim de ano, mas existem diverso objetivos secundários no caminho que são importantes para sua jornada de conversão.

 

#3: Escolha seus canais de divulgação

Agora que você tem em mãos o seu planejamento e metas é o momento de escolher os canais de comunicação que se enquadram nas suas estratégias de marketing digital: E-mail Marketing, campanha de Remarketing, SEO, Landing Page, Redes sociais, Links Patrocinados… Existe uma infinidade de possibilidades e elas podem ser utilizadas em conjunto ou não.

 

Durante a escolha dos canais de comunicação e com o planejamento e pesquisas em mãos saiba exatamente o formato que deve ser utilizado em suas ações de marketing digital: seu consumidor usa mais celular ou computador? Ele passa quantas horas conectado? Que tipo de informação ele se interessa? Onde meu anúncio vai aparecer? Quais são os sites que seu público de interesse mais acessa? Em quais redes sociais ele está?

 

#4: Antes de fazer uma estratégia, certifique-se que a sua empresa está preparada para ela.

Muitas empresas se apoiam no marketing digital como a solução para vender mais, mas de nada adianta muita estratégia se a sua empresa não está preparada para o retorno desse investimento. Ou seja, sua empresa precisa estar pronta para atender a demanda, com uma equipe treinada, site com pleno funcionamento, estoque, equipe de relacionamento com cliente a postos, boas estratégias e cumprimento de prazos de entrega. Se a sua empresa estiver alinhada a esses fatores internos, com uma estratégia de marketing digital bem estruturada, certamente sua empresa terá um grande salto de vendas nesse fim de ano.

 

#5: Mensure seus resultados e fidelizar clientes

O fim do ano acabou, e aí? Esse é um dos momentos mais importantes para a sua empresa: mensurar os resultados, conversar com os clientes que compraram e fidelizá-los. Nesse passo, você pode usar um funil de vendas, com e-mails marketing estratégicos, estratégias de Inbound Marketing, redes sociais, etc.

 

Segundo o mestre do marketing, Philip Kotler, conquistar novos clientes custa até 7 vezes mais que fideliza-los, então é preciso que a sua empresa comece agora através de estratégias de marketing digital a cultuar o bom relacionamento com os clientes, pensando sempre no pós venda.


Facebook


Pinterest


Youtube


Instagram

Artigos recentes

Follow Us

Nosso canal no Youtube

Junte-se a nossos leitores e receba conteúdo exclusivo em primeira mão

Insira seu nome e e-mail e clique em enviar !

@Kawis 2019 | Todos os direitos reservados

Tudo que você precisa saber sobre PERSONA e a importância dessa ferramenta para seu negócio

Tudo que você precisa saber sobre PERSONA e a importância dessa ferramenta para seu negócio


Facebook


Pinterest


Youtube


Instagram

Alguma vez você já escutou falar sobre Persona? Sabe pra que ela serve e a sua importância para a criação de uma boa estratégia de marketing digital?

O conceito de “Persona”, é uma extensão do que conhecemos sobre público alvo, mas engana-se quem acha que ambos são a mesma coisa. Enquanto o público alvo é uma base das pessoas que poderiam ser atingidas com o seus serviços, a Persona vai muito além!

O conceito tornou-se popular com a estratégias de Inbound Marketing e tem como pai ninguém menos que Allan Cooper, um dos nomes mais importantes quando falamos em experiência do usuário. A Persona não se refere apenas a idade, classe social, região que mora. Ela busca entender quem é esse público ideal, como ele vive, o que ele gosta, quais são seus sonhos, suas necessidades, etc. E é por isso, que essa é uma ferramenta extremamente indispensável para uma boa estratégia de marketing digital.

“Personas, como todas as ferramentas poderosas, podem ser compreendidas em um instante, mas você pode levar meses ou anos para dominar.”- Alan Cooper

Público Alvo e Persona na prática

 

Sabemos que pode ser difícil diferenciar ambas ferramentas, mas para compreender as principais diferenças entre Persona e Público Alvo, precisamos sempre lembrar que o público alvo é generalista, não é alguém específico, são pessoas que PODEM querer o seu produto. Quando falamos em Persona, queremos segmentar a nossa comunicação, chegar no nosso cliente ideal, aquela pessoa que sem dúvidas está interessada em nossos serviços.

Na prática

Público alvo: Homens e Mulheres de 17 a 29 anos, classe BC, que estão na faculdade e precisam conseguir um emprego/estágio.

Persona: Andrea tem 21 anos, está no segundo ano de jornalismo e deseja fazer uma pós graduação em marketing digital. Ela é solteira, gosta de ler, ir ao teatro e shows. Andrea mora na periferia de São Paulo e busca um estágio que a ajude com os custos da faculdade, mas ainda não conseguiu encontrar através de bancos gratuitos, vagas adequadas.

Conseguiu notar a diferença? Através da Persona sua empresa saberá exatamente com quem está falando, saberá o tom, melhores canais de comunicação e como atingir efetivamente seus objetivos de marketing digital com essa pessoa ou grupo de pessoas.

Como criar uma Persona

 

Será que as pessoas da sua equipe sabem de fato para quem estão vendendo? Criar uma Persona não vai beneficiar apenas suas estratégias de marketing digital. Ela pode nortear toda a sua comunicação, inclusive auxiliar a equipe de vendas a conseguirem obter melhores resultados em suas ações.

Para criar uma persona eficiente você precisa personificar o seu cliente ideal e colocar no papel todas as informações que você tem sobre ele: idade, profissão, preferências, sonhos, hobbies, etc. Se possível, a criação de uma história sobre ele será de grande valor, para que você possa chegar na Persona perfeita. Bom, mas você deve estar se perguntando, como criar uma história tão detalhada? Nós respondemos: pesquisa e a criação de perguntas certas. Veja alguns exemplos:

  1. O que faz no trabalho

  2. O que mais gosta na profissão

  3. Quais são as metas profissionais para o futuro

  4. Principais obstáculos

  5. Por que resolveu seguir essa profissão ?

  6. Que tipo de rede social mais utiliza?

  7. Quais são as maiores paixões?

A partir das perguntas certas, a criação da sua Persona vai ser mais assertiva e as suas estratégias de marketing digital bem sucedidas.

Se deseja entender mais sobre como impactar positivamente o seu negócio através de ações de marketing digital.

Fale conosco!

Leave a Replay


Facebook


Pinterest


Youtube


Instagram

Artigos recentes

Follow Us

Nosso canal no Youtube

Junte-se a nossos leitores e receba conteúdo exclusivo em primeira mão

Insira seu nome e e-mail e clique em enviar !

@Kawis 2021 | Todos os direitos reservados

O que todo empreendedor precisa para obter sucesso

Consultoria  para Self Storage

Ser empreendedor não é uma tarefa simples. Existem muitas pressões no dia a dia que podem fazer até os mais experientes ficarem de cabelo em pé: ter um negócio que depende de você e da sua capacidade de gerenciar pessoas, tomar decisões e enxergar as oportunidades, ter as melhores iniciativas e estratégias de crescimento, fazer mais com menos… enfim, uma infinidade de responsabilidades que dependem de você e da sua capacidade empreendedora.

Vale lembrar que no mundo do empreendedorismo, os primeiros anos precisam ser bem calculados, pois qualquer erro poderá colocar todo o seu empenho a perder ou causará danos difíceis de reparar [Saiba por que 6 em cada 10 empresas fecham as portas antes de completarem cinco anos]. Mas calma. Obstáculos são feitos para que possamos superar nossas próprias expectativas e estando preparada (o) o seu empreendimento será um sucesso. E para te ajudar, separamos algumas dicas, valores e coisas que todo empreendedor precisa ter, para ter sucesso:

#1: Visão de Mercado

No mundo do empreendedorismo tem sucesso aquele(a) que consegue olhar em sua volta e enxergar oportunidade nas necessidades expostas no dia a dia. Seu negócio pode ter como base uma ideia simples, mas se ela satisfazer a necessidade ou desejo de um nicho, será um verdadeiro sucesso.

#2: Iniciativa e Criatividade

Claro que os bons empreendimentos não nascem apenas da visão de um negócio ou das boas ideia. Para funcionar de verdade, o empreendedor precisa sair do papel. Precisa tomar iniciativa e usar toda a sua criatividade em prol do desenvolvimento de seu negócio e afim de criar soluções inovadoras para a necessidade enxergada no nicho que deseja atua. Se algo inovador: como impactar o cliente, que nunca ouviu falar nesse serviço? Se é algo que já existe: como usar de criatividade para diferenciar seu produto no mercado e agregar valor? [Veja nosso artigo sobre inovação].

#3: Motivação e Determinação

Vão existir momentos maravilhosos de crescimento, retorno de investimento e reconhecimento, mas o empreendedor precisa estar preparado para lidar com algumas adversidades. Por isso precisa estar motivado e acreditar no negócio e determinado em superar os obstáculos e limites.

#4: Precaução

No nosso artigo sobre plano de negócios falamos sobre os cuidados que devemos ter ao começar o nosso negócio: Avaliar mercado, desenvolver estratégia, avaliar concorrência, pontos, fortes, fracos, oportunidades e principalmente ter cautela ao escolher seus sócios. Veja, uma sociedade não pode ser baseada em camaradagem, cada sócio deverá agregar valor ao negócio e assumir responsabilidades em seu setor e estar alinhado com os objetivos e filosofia da empresa. A escolha errada pode ser extremamente prejudicial para o crescimento do empreendimento.

#5: Formação contínua

Busque sempre aprimorar seus conhecimentos para o bom desenvolvimento do seu negócio. Parar no tempo só vai te trazer dor de cabeça futura e prejudicar os avanços e inovação do seu negócio. Se você tem dificuldade em algum aspecto que envolve o seu negócio, busque ajuda. Se não tem certeza, não faça sozinho. Esse é um erro cometido recorrentemente por empreendedores. [Veja: 5 motivos para sua empresa contratar uma consultoria]

#6: Networking

Seguindo o que foi dito no tópico anterior, não faça só. Acredite, ninguém chega a lugar algum sozinho. Cerque-se de pessoas que possam agregar o seu negócio, que possam aguçar e cutucar as suas decisões e estratégias. Pessoas que possam trazer inovação e frescor para o seu empreendimento.

#7: Organização e Espírito de Liderança

Não dá para ir empurrando com a barriga. Um bom empreendedor sabe que cada coisa precisa estar em seu lugar, e não estamos falando apenas de organização de espaços, mas de equipes, estratégias, planejamento, ações. Você precisa saber exatamente onde cada coisa deve estar, quais são seus objetivos e como fazer para chegar lá. E como ninguém vai a lugar algum sozinho, tenha em mente que você precisa ser uma boa liderança na sua empresa: saiba delegar, motivar e estruturar.

Precisa de um consultoria? Somos especialistas em planejamento e gestão comercial. Clique aqui e fale conosco.

Artigo por: Vanessa Fontes, redatora publicitária

O que a falta de planejamento pode fazer contra a sua empresa

O que a falta de planejamento pode fazer contra a sua empresa

Você já se perguntou o que a falta de planejamento pode fazer CONTRA a sua empresa?

Um dos principais fatores responsáveis pelo desaparecimento das PMEs é também um dos maiores tabus e dificuldade dos empreendedores. Muitos vão remando, sem saber se no fim do rio ele continua ou se existe uma queda d’água. E é aí que mora o perigo.

Cerca de 42% da falência de pequenas e médias empresas está ligada a falta de planejamento, dados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), sinaliza que há aproximadamente 8,5 milhões de pequenas e microempresas no Brasil, mas cerca de 30% desses negócios se mantém por apenas dois anos. Preocupante não?

Anticase de planejamento: Uma história verídica e comum

Há um tempo atrás comecei um trabalho para uma empresa de outro estado, ela tem um produto muito competitivo e de um nicho que está em ascensão. Logo nos primeiros meses notei a necessidade de planejamento em diversos setores, isso porque a empresa contava com pouquíssimos funcionários e aparentemente, nenhum plano de ação. A pessoa responsável pela gestão do negócio me dizia: “Eu vou fazendo e vai dando certo, não tenho muito tempo para planejar”. Acontece que às vezes temos a falsa sensação de que conhecemos todo o nosso negócio, todos as nossas ameaças, desafios, oportunidades, forças, fraquezas e que de cabeça, conseguimos avaliar todas as nossas ideias e como elas podem ser aplicadas. Ilusão.

Primeiro: ninguém consegue fazer nada sozinho. Cuidar de um negócio exige que tenhamos capacidade de enxergar quando precisamos de ajuda e onde precisamos de ajuda. Você pode ser bom em muitas coisas sim, mas não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo.

Segundo: ninguém pode saber se uma ideia vai dar certo “de cabeça”. É preciso estudar como essa ideia vai ser executada e como fatores externos e internos podem ser uma ameaça ou uma oportunidade. Sem estudo e sem cautela não vamos a lugar nenhum e para uma PME, qualquer erro no começo de vida pode ser fatal, pois não temos só o planejamento como dificultador, existe: a falta de recursos, investimento, reconhecimento, entre tantos outros.

Finalizando esse anticase, depois de algum tempo a empresa teve uma crise muito grande em sua principal franquia, clientes ficaram insatisfeitos, a reputação foi abalada e a perda de recursos foi altíssima. Nesse caso foi um diferencial e evitou que algo pior acontecesse:

  1. A empresa tem reconhecimento de anos, os clientes são fiéis e conheciam a história e a reputação da empresa base.
  2. O problema aconteceu por falta de planejamento, mas estava ligado principalmente a um franqueado, uma boa gestão de crise ajudou muito nesse sentido e a reputação foi restaurada.

Mas, se essa empresa tivesse, antes de começar o negócio de franquias, estudado minuciosamente todos os fatores que envolvem o negócio, não apenas os internos e que podemos alcançar, mas os inalcançáveis, os externos; se tivesse criado um estatuto claro de regras que toda franquia deve seguir; ter um contrato claro e muito bem pensado, talvez não tivesse um furacão para controlar e perda desnecessária de recursos e prestígio.

Precisamos entender que: Planejar não é perda de tempo!

Esse é um ponto importante, muitas empresas deixam de planejar por acreditarem que é desnecessário ou perda de tempo, mas deixa eu te dizer: depois de saber dos dados acima, você ainda pensa assim? Outra coisa importante: a falta de planejamento, nem sempre reflete rapidamente no negócio, muitas vezes pode demorar um bom tempo até você perceber que falta algo ou que algo deveria ter sido feito. O planejamento é como a fundação de uma casa. Você pode erguer a sua casa com uma fundação “meia boca” ou sem ter todos os cálculos prontos e corretos, mas alguma hora, as paredes vão começar a ceder e o risco da casa cair, é muito grande.

No próximo artigo, vamos te ajudar a montar o planejamento da sua empresa e se você quer ser lembrado, se inscreve no nosso blog e receba nossas novidades e atualizações. E se a sua empresa precisa de ajuda com planejamento, gestão, organização e estratégias de crescimento, você pode contar com a nossa ajuda.

Fale conosco e vamos te contar como a Kawis vai junto com você, levar sua empresa ao topo do sucesso!
Artigo por: Vanessa Fontes, redatora publicitária

Inovação: como entrar ou permanecer em um mercado ultracompetitivo?

Inovação: como entrar ou permanecer em um mercado ultracompetitivo?

Essa é uma daquelas perguntas que a resposta se encontra no enunciado. Inovação nos dia de hoje é um dos principais métodos para entrar ou se estabelecer no mercado. Isso porque estamos em época das grandes concorrências e da mudança brusca de mercado. O que era novidade ontem, torna-se obsoleto amanhã. Nós estamos em constante evolução e o nosso estilo de vida precisa acompanhar nossos passos largos rumo à mudança. As empresas e empreendedores, independente do porte, precisam enxergar de forma sistemática o que está atrapalhando o estilo de vida atual e o que pode ser feito para facilitar o dia a dia do consumidor. Os empreendedores precisam inovar!

Para começar, inovar não consiste em criar algo do zero e não é apenas ter uma ideia revolucionária que ninguém nunca pensou antes. Inovar é mudar de direção quando você segue a anos por uma mesma rua, é atender de uma forma diferente, é pensar em uma solução que beneficie seu negócio e seus consumidores, é pensar: “qual o impacto do meu negócio no mundo?”. Você que é empreendedor precisa saber que inovar é fazer todos os dias o “exercício do olhar”. Primeiro o olhar para si: o que você quer lançar no mundo? O que você acha importante? Quais são os seus valores indiscutíveis?. Depois disso, o olhar pro mundo: como seu serviço pode impactar de forma positiva (seja o meio ambiente, a sociedade, um mercado)? O que tem atrapalhado o meio que deseja impactar? Quais assuntos estão sendo discutidos? Quais pautas e bandeiras você deseja levantar em prol de um impacto real e positivo? E claro, olhar para o consumidor: quem vai consumir seu serviço? Qual o estilo de vida dessas pessoas? O que elas querem e mais ainda: o que elas precisam (e talvez nem saibam) para melhorar seu dia a dia? No que elas acreditam? Quais são os valores delas?. Essas são perguntas importantes e vão te ajudar a nortear os pensamentos e planejamento do seu empreendimento.

Inovação disruptiva o que é e como se beneficiar

Inovação disruptiva é uma teoria criada por Clayton M. Christensen, um professor de Harvard que fez uma pesquisa sobre a indústria do disco rígido. Sim, essa não é uma teoria atual, se formos pensar no ritmo acelerado das coisas, foi criada antes da virada do milênio e popularizada pelo livro O Dilema do Inovador, 1997, de Christensen.

A inovação disruptiva está ligada a uma forma de inovar que transforma o mercado oferecendo serviços de forma simplificada, prática e possibilitando o acesso do consumidor ao serviço. As empresas que estão ligadas a esse modelo de inovação, vêm principalmente suprir a defasagem de serviços inacessíveis e muitas vezes ultrapassados e desinteressantes. Além disso, modelos inovadores, criam e levantam um mercado inteiro, além de gerar empregos e até mesmo criar novos cargos e funções.

Podemos citar inúmeras empresas com casos e anticasos de inovação. Você provavelmente deve se lembrar da KODAK que perdeu espaço por não caminhar rumo à inovação, mesmo sendo precursora no modelo de câmeras digitais, engavetou o projeto e continuou a vida como se a tecnologia não tivesse batido em sua porta. Anticasos como esse nos ajudam enxergar, mais uma vez, que: empresas que não acompanharam a evolução e as novas necessidades dos consumidores não conseguem se sustentar no mercado.

Sobre inovação podemos destacar: A Nubank e seu cartão totalmente online e sem taxas; os serviços de Streaming; aplicativos de consultas médicas; portais online e coletivos de troca de experiências entre professores e alunos; serviços de transporte compartilhado, entre tantos outros.

Sobre a inovação disruptiva, existem algumas práticas que você pode utilizar para seu negócio: Primeiro você deve pensar como a tecnologia pode tornar um tipo de serviço mais acessível? Por exemplo: em 2015 eu e um amigo que trabalhava na mesma empresa que eu resolvemos criar uma startup, nosso serviço seria um aplicativo para acabar com as filas nas praças de alimentação em Shoppings Centers, fizemos tudo bonitinho: planejamento, pesquisa, previsão de viabilidade, chegou no investimento, ficamos empacados. O resultado foi: 2 anos depois uma empresa apareceu com um serviço bem semelhante ao que estávamos planejando. Por falta de planejamento, investimento, o fato é que perdemos o bonde e uma outra startup que também “exercitou o olhar” para a mesma situação pode colocar em prática. Segundo: você precisa viabilizar o consumo de um serviço. Existem muitas pessoas que não consomem determinados tipos de serviço porque não conhecem, é uma realidade distante da realidade delas, é muito caro, o acesso é restrito… Então quando você estrutura o seu negócio é importante pensar em quem você está impactando e como está impactando.

Artigo por: Vanessa Fontes, redatora publicitária